Home / Notícias Parceiros / Saiba quais documentos você deve guardar após entrega da declaração do Imposto de Renda

Saiba quais documentos você deve guardar após entrega da declaração do Imposto de Renda

Os contribuintes que entregarem a declaração do Imposto de Renda neste ano devem estar atentos para não jogar fora alguns documentos importantes que podem ser solicitados pela Receita Federal no futuro.

De acordo com o coordenador de impostos da IOB da Sage Brasil, Valdir Amorim, é necessário preservar os informes de rendimento e o recibo da declaração que foi enviada para a Receita Federal.

Para aqueles que realizam a declaração no modelo completo, Amorim ressalta a importância de guardar os gastos referentes aos pagamentos que foram deduzidos do imposto, tais como as despesas com saúde e educação.

O coordenador afirma ainda que o Fisco recomenda que os documentos sejam guardados pelo prazo de, no mínimo, cindo anos após o exercício financeiro da entrega da declaração.

— Nós estamos entregando neste ano a declaração de 2016 em 2017. […] Então, o documento só vai prescrever a partir de 2023.

Outra recomendação de Amorim é guardar também os documentos referentes a imóveis alugados, veículos financiados e compra e venda de imóvel. Ele explica que a medida permite que não se tenha problema caso a Receita venha a cruzar os dados com os declarados com cartórios e imobiliárias.

Confira a lista dos documentos necessários para declarar Imposto de Renda.

1) Rendas

  • informes de rendimentos de instituições financeiras inclusive corretora de valores;
  • informes de rendimentos de salários, pró labore, distribuição de lucros, aposentadoria, pensão etc.;
  • informes de rendimentos de aluguéis de bens móveis e imóveis recebidos de jurídicas;
  • informações e documentos de outras rendas percebidas no exercício, tais como rendimento de pensão alimentícia, doações, heranças recebida no ano, dentre outras;
  • resumo mensal do livro caixa com memória de cálculo do carnê-leão;
  • DARFs de carnê-leão.

2) Bens e direitos

  • documentos que comprovem a compra e venda de bens e direitos.

3) Dívidas e ônus

  • informações e documentos de dívida e ônus contraídos e/ou pagos no período.
4) Renda variável
  • controle de compra e venda de ações, inclusive com a apuração mensal de imposto;
  • DARFs de renda variável.

5) Informações gerais

  • dados da conta bancária para restituição ou débitos das cotas de imposto apurado;
  • nome, CPF, grau de parentesco dos dependentes e data de nascimento;
  • endereço atualizado;
  • cópia da última Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (completa) entregue;
  • atividade profissional exercida atualmente.


6) Pagamentos e doações efetuados

  • recibos de pagamentos ou informe de rendimento de plano ou seguro saúde (com CNPJ da empresa emissora e a indicação do paciente);
  • despesas médicas e odontológicas em geral (com CNPJ da empresa emissora ou CPF do profissional, com indicação do paciente);
  • comprovantes de despesas com educação (com CNPJ da empresa emissora com a indicação do aluno);
  • comprovante de pagamento de Previdência Social e previdência privada (com CNPJ da empresa emissora);
  • recibos de doações efetuadas;
  • GPS (ano todo) e cópia da carteira profissional de empregado doméstico;
  • comprovantes oficiais de pagamento a candidato político ou partido politico.

Fonte: Jornal Contábil

Veja Também

Publicação da versão 4.0.7 do programa da Escrituração Contábil Digital (ECD)

Versão 4.0.7 do programa da ECD Publicada a versão 4.0.7 da ECD com as seguintes …

Trabalho nos feriados: Ministério esclarece dúvidas

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) proíbe o trabalho em dias de feriados nacionais …